Carcinoma Mucoepidermóide – CME

O carcinoma mucoepidermóide (CME) considerado tipo raro de neoplasia de glândula salivar, foi estudado e descrito pela primeira vez, em 1945.

Dentre os tumores malignos, é um dos mais comuns das glândulas salivares. Por seu elevado potencial biológico variável, originalmente foi denominado de tumor mucoepidermóide designação comumente utilizada. Apresenta características histológicas de células escamosas atípicas apresentando produção focal de mucina. São raros e metastatizam por via linfática e hematogênica.

Quanto à malignidade podem ser classificados em baixo, intermediário ou alto grau, baseando-se em cinco parâmetros: proporção de elementos císticos e sólidos, presença de invasão neural, necrose, anaplasia e taxa mitótica.

Alguns destes tumores possuem comportamento maligno e um segundo grupo atua de forma benigna. Entretanto, atualmente, concebe-se que mesmo os tumores de baixo grau de malignidade, ocasionalmente podem evoluir para umcomportamento maligno.

Em termos epidemiológicos, observaram com maior freqüência a ocorrência do CME (câncer mucoepidermóide) em pessoas do sexo feminino. De forma paradoxal há autores que relatam a ocorrência maior de CME em pessoas do sexo masculino. Entretanto, afirmam existir uma distribuição igualitária entre ambos os sexos.

Sintomas:

O CME manifesta-se de forma, assintomática, com aumento volumétrico do palato, com características algumas vezes flutuantes, com coloração azul ou avermelhada, o que pode ser confundido clinicamente com mucocele.

Diagnóstico:

Sua confirmação diagnóstica culmina por meio da biópsia e exame histopatológico ou imunoistoquímico. Desta forma deve-se evitar investigações diagnósticas demoradas e onerosas que apenas retardam o início do tratamento e prejudicam o prognóstico.

Tratamento:

O tratamento precoce de tumores malignos de glândulas salivares menores, consiste na excisão cirúrgica completa, obtendo margens cirúrgicas adequadas. O tratamento também pode incluir quimioterapia e radioterapia, dependendo da localização, gravidade, tamanho e velocidade de crescimento do tumor.

Ressaltamos que a cirurgia com ressecção de estruturas adjacentes é o método mais efetivo do tratamento de neoplasias de glândula salivares malignas, apesar de esta cirurgia produzir grandes defeitos de tecido, bem como prejuízo funcional, normalmente afetando a qualidade de vida do paciente.

Fonte: Revista Odontológica de Araçatuba v .29, n.2, p. 20-23, Julho/Dezembro, 2008

Compartilhe no Facebook

Digite seu endereço de e-mail e fique informado gratuitamente e clique em ENVIAR:






4 comments on “Carcinoma Mucoepidermóide – CME

  1. Diagnostico:-LÁBIO SUPERIOR: CARCINOMA ESPINOCELULAR CERATINIZADO
    – MARGENS CIRURGICAS LIVRES DE NEOPLASIA
    Isso esta escrito no laudo da Biopsia
    Pergunta : Após cirurgia 15/03/12 + radioterapia + quimio , voltou a toda e em 13/03/13 nova cirurgia retirando fragmento 3,2×1,8x15cm (deixando sequela no local), qual é a porcentagem de voltar o tumor ?
    Quando poderei fazer cirurgia reparadora no lábio ?

Deixe uma resposta para marlene Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *